domingo, 28 de dezembro de 2008

Humano...



" Uma convicção é a crença de estar, num ponto qualquer do conhecimento de posse da verdade absoluta.
Essa crença supõe, portanto, que há verdades absolutas; ao mesmo tempo que foram encontrados os métodos perfeitos para chegar a isso; finalmente, que todo o homem que tem convicções aplica esses métodos perfeitos.
Essas três condições mostram logo a seguir que o homem das convicções não é um homem do pensamento científico; ele está diante de nós na idade da inocência teórica, é uma criança, qualquer que seja o seu porte.
Mas séculos inteiros viveram nessas idéias pueris que jorraram as mais poderosas fontes de energia da humanidade. Esses homens inumeráveis que se sacrificavam por suas convicções acreditavam fazê-lo pela verdade absoluta.
(...)
Não foi a luta de opiniões que tornou a história tão violenta, mas a luta da fé nas opiniões, isto é, nas convicções.
Se no entanto, todos aqueles que faziam de sua convicção uma idéia tão grande, que lhe ofereceriam sacrifícios de toda a espécie e não poupavam a metade de sua força para procurar por qual direito se ligavam a essa convicção antes que a essa outra, por cujo caminho tinham chegado que aspecto pacífico teria tomado a história da humanidade!
Como teria sido muito maior o número de conhecimentos! Todas essas cenas cruéis que a perseguição dos herdeiros em todos os tipos oferece nos teriam sido poupadas por duas razões: em primeiro lugar, porque os inquisidores teriam dirigido antes de tudo sua inquisição para eles mesmos e com ela teriam terminado com a pretensão de defender a verdade absoluta; em segundo lugar, porque os próprios partidários de princípios tão mal fundados como são os princípios de todos os sectários e todos os “crentes no direito”, teriam cessado de compartilhá-los depois de tê-los estudado".




Friedrich Nietzsche in: Humano, demasiado humano

sábado, 27 de dezembro de 2008

Ressuscite-me


Por Ecos del Plata

Ao som de Strange Fruit com Antony And The Johnsons (Live)



Por mais que procure não encontro. Pois que. Buenos Aires se habita em dentro de mim, e tuas/vossas pontas, luzes. Grita-me uma saída. Um alento, um suspiro. Por que ainda me dói um pouco, perdi-me para sempre na gosma das coisas-tolas. Em vossos braços, homens, cinco mil apóstolos. Ressoa-me na boca uma milonga escassa e branda. Terrível. Crava-me tonta. Um poço. Mata-me aos poucos, lenta.

Dói-me aquele olhar crepuscular pelos cantos. As vossas indiferenças sem pudor. A vossa piedade sem amor. Não me submeto nem personifico as vossas máscaras, nego. Cerco-me. Perco-me. Nesta incomunicabilidade. Nada mais transcende. Mãos suadas em meu corpo-em-minha carne. Cindo-me, encho-me de espinhos e morro. Renasço fera. Acuada cheia de dor. Cindido, esquizofrênico, precipito-me fera. Abismo. Gosma branca de G.H. Morro. Afago-me felino em nossas fantasmagorias todas. Dói-me tanto, lamina fria: vos cinco apóstolos. Que me seduzem, e que me fazem cheio de garras. São estas as labaredas frias a queimar-me por dentro, atravessam-me. Morro para ressurgir como máscara, que quer sangue, vossa gosma de barata partida; meio-viva, meio-morta. Precipito-me em um abismo de sangue. Oh, mãos suadas, beijos ternos. Salvem-se de mim.

terça-feira, 23 de dezembro de 2008



Leveza
- Vocês não olham para os lados, e respiram o veneno que fixa os seus pés de chumbo sobre esse solo polvoroso e seco. Vocês não se olham nos olhos, vocês não olham para dentro. Vocês não sabem quem são e nem o que querem. A sua moral é a moral dos rebanhos, vocês escolhem o destino que têm. Vocês se flagelam por prazer e vingança. Vocês sentem prazer na dor, na culpa e na doença religiosa de sua crença em sua vã eternidade.
Mas agora, chegou a hora de libertar a criança. Aquela que brinca dentro de cada um, aquela que está dentro de você, preza pelos ferrolhos do cristianismo ou da ambição. Está na hora de perceber a nossa falência - intelectual, econômica e filosófica. Nossa falência é a ruína deste sistema. Deste mundo.
Este é um aviso, talvez vão. Ele vem das redes de fluxos oníricos de uma mente transviada, duplicada, deslocada, e em ebulição. Ele vêm de uma Legião, nós somos a Multidão. Esse vosso sistema “eterno” e “inevitável” implodirá, brevemente, e não será homem ou mulher, nem Deus ou Estado – pois estes que pela luz já estão bem esturricados e quase mortos, não!(esses são mumias decrepitas!) A grande hecatombe virá de onde menos esperam ou fingem não perceber. Ela virá da mãe mais carinhosa, do seio mais farto, e dos lábios mais úmidos e doces. A Natureza em revolta e fúria derrotará este “único” e “inquebrantável” sistema. As bolsas quebrarão, os bancos fecharão, e países quebrarão – e o mar avançará e o céu, como em uma velha profecia dos povos originários cairá. E isso não procurem nas estrelas, não procurem em números dos economistas e dos burocratas, não procurem em velhas profecias decrepitas, não procurem na palavra dos inúmeros e ambiciosos charlatões espirituais. Esse anúncio de desastre está ao seu lado. Olhem para suas vidas, para suas idéias, para seus afetos e para o que são. Vocês, se mirarem com atenção, e escutarem direito, verão e ouvirão: Morte e destruição. E, se nada mudar mesmo assim, os gritos de dor e pavor, serão apenas o eco do espanto idiota estampado em seus olhos, em suas inúteis montadoras falidas, em suas vitrinas vazias, e em seu comércio desarticulado. A produção e o consumo finalmente nus. Chorar? Não, do caos e da grande dor pode ainda renascer o pássaro de fogo, ou uma águia negra feita de sonhos.
Do que adiantaria chorar, culpar-se, arrepender-se. Basta olhar para frente, e entender que o presente tem que enfim ser presente, e que o que contraria a vida – seja em qualquer forma, é somente morte e destruição. Está na hora de acordar para a vida e para a leveza de ser, deixar essa criança em cada um de nós livre, sair, rodopiando por entre campos, flores e escombros, e dizer, que afinal, a vida, é o que realmente importa. Que a vida deve ser devir. Basta você perguntar-se isso nos seus atos do hoje, será vida, cria mais vida, é natureza? Por que enquanto a técnica e a ciência estiverem ancoradas ainda na luz da racionalidade seca, colheremos o que plantamos: tragédia, dor, ressacas, secas e inundações. E Chuvas – eternas., ácidas e intermitentes. Calotas que derretem e crianças que morrem, por que vocês não podem e nem sabem abandonar o progresso e o trabalho como valores supremos e totais, por que vocês se apaixonaram pelo espírito Tanatos da produção, por que vocês se apaixonaram pelo sacrifício e todas suas estúpidas religiões – laicas ou não. Por que vocês estão enamorados da morte e da destruição. A sua produção é na verdade destruição.
Por isso, somente a leveza das brizas e da poesia pode salvar o mundo, a leveza da liberdade dos que não condenam e daqueles que esquecem. Não é preciso perdoar, mas somente esquecer, para que a reatividade rancorosa não cause sempre e continua dor. É preciso perceber que viver é fazer arte, que viver é sonhar e transformar-se continuado. Que viver é deixar-se ser o que realmente é. Ou vamos escolher, viver como bárbaros tecnocráticos destruidores de vida, piores que qualquer primitiva fera, ou vamos libertar-nos para nós e para o mundo...
Vamos todos reaprender a sonhar, vamos todos pintar uma águia negra carregando duas rosas em nossos corpos – uma águia feita de sonhos púrpuras. Vamos todos cantar e esquecer toda a podridão da culpa, da ambição e da vaidade, assumamos enfim, a criança tontinha e linda que somos, e sorriamos assim leves para vida e para o mundo. Vamos cuidar da terra e de nós mesmo, cultivo filosófico, afetivo e artístico serão nossa salvação. Aprendamos a falar todas as línguas do mundo, as mais faladas, e as menos faladas, para sonharmos uma comunicação global e total, onde nossos contatos sejam humanos e verdadeiros e não maquinários e robóticos – cheios de máscaras. Cultuemos com carinho e respeito nossas mentes, nossos corpos e nossas emoções – para comunicá-los aos outros, transmitir cada vez mais vida, mais louca, alegre e estranha, como uma dionisíaca e criativa transformação. Assumir nossa pluralidade, nossa diversidade, nossa loucura, nossas travessuras, será assumir a vida, o amor e a verdadeira comunicação entre os homens. Por que o que é translúcido, suave e onírico, é mais forte do que milhões de tanques de guerra, milhões que usinas nucleares – por que assim em idéias e em sonho escolhemos a vida, impediremos a morte, a dor e o fim, e seremos salvos de nós mesmos - desta pequena inútil vida de castração e fúria em que a maioria de nós se perdeu.



Por: Augusto Patrini

Esquecer

“Esquecer não é uma simples vis inertiae [força inercial], como crêem os superficiais, mas uma força inibidora ativa, positiva.
(Segunda dissertação - § 01)


“Não poderia haver felicidade, jovialidade, esperança, orgulho, presente, sem o esquecimento”. (Segunda dissertação - § 01)


“Com ajuda da moralidade do costume e da camisa-de-força social, o homem foi realmente tornado confiável”.

(Segunda dissertação - § 02)


“Quanto sangue e quanto horror há no fundo de todas as ‘coisas boas’”.

(Segunda dissertação - § 03)

Nietzsche In: Genealogia da Moral

segunda-feira, 22 de dezembro de 2008



«À qui vit de fiction la vérité est infecte. » (Victor Hugo).


“Para quem vive da ficção a verdade é infecta.” (V. Hugo)


Tradução: Augusto Patrini


A descoberta da verdade é impedida mais efetivamente não pela falsa aparência das coisas presentes que nos leva ao erro, e não diretamente pela fraqueza dos poderes do raciocínio, mas sim pela opinião pré-concebida, pelo preconceito."
- Arthur Schopenhauer, filósofo alemão, 1788–1860.

Osip Mandelstam

C’est qu’un poème s’adresse toujours à quelqu’un, à un «destinataire inconnu».


En me privant des mers, de l’élan, de l’envol, Pour donner à mon pied l’appui forcé du sol, Quel brillant résultat avez-vous obtenu, Vous ne m’avez pas pris ces lèvres qui remuent.


L'amour et la peur ne connaissent pas d'issue.



Il n'est pas rare d'entendre dire : Bon, mais tout cela c'est d'hier. Or je dis que cet hier n'est pas encore venu, qu'il n'a pas réellement existé.




Osip Mandelstam


sexta-feira, 19 de dezembro de 2008

Feliz "Festas" !


Feliz “Festas”

"Lei contra o cristianismo - Dada no dia da Salvação primeiro dia do ano Um (a 30 de Setembro de 1888, pelo falso calendário): Artigo Primeiro - É vício qualquer forma de antinatureza. A mais viciosa espécie de homens é o padre: ele ensina a antinatureza. Conta o padre não temos razões, temos a casa de correção; Artigo Segundo: Qualquer participação num ofício divino é um atentado contra a moral pública. Seremos mais duros para um protestante do que para um católico, mais duros para um protestante liberal que para um puritano. Quanto mais próximo se está da ciência, maior é o crime de se ser cristão. Por conseguinte o maior dos criminosos é o filósofo; Artigo Terceiro: O lugar de maldição onde o cristianismo chocou seus ovos de basilisco será completamente arrasado e, sendo sobre a Terra o local sacrílego, constituirá motivo de pavor para a posteridade. Aí serão criadas serpentes venenosas; Artigo Quarto: A apologia da castidade é uma pública incitação ao antinatural. Desprezar a vida sexual, enxovalhá-la com a noção de 'impuro', eis o verdadeiro pecado contra o Espírito Santo da Vida; Artigo Quinto: Comer à mesa com um padre exclui-vos; fazendo, excomungam-se da justa sociedade. O padre é o nosso tchandala - será encarcerado, privado de alimentos, expulso para um local como o deserto; Artigo Sexto: Dar-se-á à história 'santa' o nome que merece, isto é, história maldita; serão usadas as palavras 'Deus', 'Salvador', 'Redentor', 'Santo' para injuriar, para com elas marcar os criminosos; Artigo Sétimo: O resto nasce aqui."

O Anticristo, escrita em 1888 e publicada em 1895, é uma das mais ácidas críticas de Nietzsche ao cristianismo e ao budismo.

quinta-feira, 11 de dezembro de 2008

Convite debater UTOPIA !


Gostaria de Informar-vos que estou em contato com um movimento social de esquerda internacional anti-capitalista transpartidário e internacionalista, e atualmente estou articulando debates sobre as idéias deste movimento.

Trata-se do Mouvement Utopia - http://www.utopia-terre.fr ou http://www.mouvementutopia.org/blog/ com sede atualmente na França mas com atuação também na Espanha, Uruguai e agora possivelmente no Brasil.


Os eixos básicos de ação, propostas e reflexão deste movimento internacional são: A urgência social, a urgência ecológica e a urgência democrática. Isso significa para o movimento e seus integrantes quebrar, questionar, e colocar em cheque alguns dogmas políticos e sociais: a religão do crescimento econômico e material, a centralidade da sociedade de consumo e a centralidade do valor "trabalho". Suas propostas vão em direção a idéia de um Socialismo Civil democrático e radical, contrário ao capitalismo neoliberal ou ao socialismo burocrático.

Aproveito assim para convidar interessados para debater os documentos do Movimento.

Na França o movimento é transpartidário e atua como tendência institucionalizada no Partido Socialista e nos Verdes (partido Verde), mas também possui militantes no PCF, nos Alternatifs, no novo Partido de Esquerda, no Partido Radical de Esquerda, no Movimento Repúblicano e Cidadão, além de na Liga Comunista Revolucionária. Além disso o movimento Utopia atua em organizações civis internacionais como a ATTAC, e a Liga dos Direitos Humanos além de movimentos estudantis franceses de esquerda como: MJS, Jeunes Verts, Fac Verte, REVER.

Os principais intelectuais influenciadores do movimento UTOPIA são: o sociólogo Dominique Méda, os filosófos André Gorz e Hannah Arendt assim como o economista Jean Gadrey. Além disso podem ser citados como referências importantes: Cornelius Castoriadis, André Gorz, Edgar Morin, os escritores Guy Debord, Ivan Illich, Serge Latouche, François Partant, Jean-Marie Harribey, Karl Polanyi, Jean Baudrillard e Jean-Louis Laville.

Mais informações no meu e-mail: Augusto Patrini - apatrini@terra.com.br ou meu celular: (11) 79 85 19 18. Gostaria de criar um grupo de discussão baseando os debates no manifesto do Movimento e outros documentos elaborados por seus integrantes. Estes documentos ainda estão em françês ou espanhol, mas posso traduzi-los e ser facilitador para os interessados. A idéia é aglutinar em torno destes debates pessoas de sensibilidade de esquerda, sejam elas integrantes de qualquer movimento ou partido reconhecidamente democráticos e de esquerda.

abraços

Augusto Patrini

Recém formado em História (USP), jornalista, tradutor e professor.

Integrante do Movimento Internacional UTOPIA e Filiado ao PT http://sturmydrang.blogspot.com/

quarta-feira, 10 de dezembro de 2008

Aurora !

«Dans la glorification du « travail », dans les infatigables discours sur la « bénédiction du travail », je vois la même arrière pensée que dans les louanges adressées aux actes impersonnels et utiles à tous: à savoir la peur de tout ce qui est individuel. Au fond, ce qu'on sent aujourd'hui, à la vue du travail – on vise toujours sous ce nom le dur labeur du matin au soir -, qu'un tel travail constitue la meilleure des polices, qu'il tient chacun en bride et s'entend à entraver puissamment le développement de la raison, des désirs, du goût de l'indépendance. Car il consume une extraordinaire quantité de force nerveuse et la soustrait à la réflexion, à la méditation, à la rêverie, aux soucis, à l'amour et à la haine, il présente constamment à la vue un but mesquin et assure des satisfactions faciles et régulières. Ainsi une société où l'on travaille dur en permanence aura davantage de sécurité : et l'on adore aujourd'hui la sécurité comme la divinité suprême. – Et puis ! épouvante ! Le « travailleur », justement, est devenu dangereux (1) ! Le monde fourmille d' « individus dangereux » ! Et derrière eux, le danger des dangers – l' individuum (2) ! [...] Êtes-vous complices de la folie actuelle des nations qui ne pensent qu'à produire le plus possible et à s'enrichir le plus possible ? Votre tâche serait de leur présenter l'addition négative : quelles énormes sommes de valeur intérieure sont gaspillées pour une fin aussi extérieure ! Mais qu'est devenue votre valeur intérieure si vous ne savez plus ce que c'est que respirer librement ? si vous n'avez même pas un minimum de maîtrise de vous-même ? »


Nietzsche, Aurores (1881), Livre III, § 173 et § 206, trad. J. Hervier, Gallimard, 1970

(1) allusion aux nombreuses grèves qui touchent le monde du travail

(2) du latin : ce qui ne peut être divisé (atome, au sens étymologique, pas physique)

terça-feira, 9 de dezembro de 2008

Falta de Ar



Por Augusto Patrini




Eu acordei sufocado, a garganta raspando, com as duas, e sempre rosas entaladas no peito. Lembrei-me de algum caminho cheio de flores antes da guerra, longe desta cidade suja e feia. Antes de nos trairmos, de sermos traídos. Agora, pensando bem, no meio deste colchão barato e lençóis encardidos, somente ficaram-me escombros. Sombras. E no horizonte essa fuligem cinza e sufocante. O que houve, às vezes eu me pergunto, não consigo entender, o que queriam e o que se tornou São Paulo. Claro, eu sempre soube, de sua hipertrofia, de sua feiúra inigualável e dos muros e paredes que sempre estavam lá: excluindo, excluindo, excluindo...
Mas agora tudo se tornou diferente, parece que o tempo parou e as pessoas que sobraram devoraram-se ou fugiram para o mato. Falta-nos tudo, água, amor e ternura – mas ainda não falta gás nem petróleo, e por isso, como mágica lá no canto, além de minha janela, na frente desse sol enegrecido ainda cospem fogo e fumaça, essas malditas usinas. Que me parecem ter tomado vida própria e funcionado sozinhas. Será? Por que nas ruas eu não vejo mais pessoas, somente lixo, ratos e carcaças de caros. Os que restaram estão trancados em paredes grossas, ou simplesmente cansaram – de como o mundo deixou-se morrer e quiçá fizeram o mesmo. Eu me pergunto. Sempre. Eternamente. Onde está você? Por que me abandonaste, eu que sempre te dediquei flores, rosas, violetas e amores. Ainda tenho aqui, algumas fotos puídas, de quando, antes da guerra, as pessoas ainda tinham cabelos, e mesmo assim, em algumas fotos não parecíamos satisfeitos- e hoje o que me resta é perguntar do porquê.
Eu me lembro quando o tempo começou a endoidecer, e que a água começou acabar, e que não se podia respirar esse ar, eu então dava-nos o luxo de colocar uma panela com água e canela no fogo – por que ainda havia um pouco mais de água. Hoje ainda tenho gás, mas muita pouca água (250ml por dia – já me acostumei) - e o ar tornou-se menos respirável do que naqueles dias. Quando já chorávamos um sonho desfeito, nossa ternura perdida, e por que havia no ar tanto ressentimento, mesmo com o cheiro de canela, e os vislumbres de minha fuga. Sempre para sul, sem parar, pensando ainda onde havia gelo, onde ainda havia ar. Contudo tudo saiu de nosso controle – quando viemos para cá avisaram que esta cidade engolia as pessoas, e as mastigava com seus dentes de aço e desilusão – mas o que nunca poderíamos imaginar é que a violência explodiria, e que por dias trancados em casa, ouviríamos apavorados gritos, tiros e pedidos de socorro. Porém sem nos mexermos estáticos em nossa solidão, em nossa incomunicabilidade. Não conseguíamos dizer nada mais. Só me lembro do vapor em teus olhos, e do medo que sentia. Eu nem sei o que sentia, sentia que tínhamos que ir, mas você queria ficar – mas até quando ficaríamos assim trancados? Precisávamos comer. Comeríamos livros? Aí as torneiras secaram, e tivemos que sair, procurar água. E nestes dias perigosos, na verdade noites, por que se saíssemos de dia, seriamos certamente mortos, víamos como havíamos perdido tudo, e que juntos estávamos sozinhos. E um dia enfim, por água, você se foi.
Eu fiquei aqui te esperando, esperando, esperando, ouvindo ainda tiros e os carros queimando – e eu nem sei o que sentia , só sei que não podia chorar, acho que não havia água no meu corpo – ou minha alma estava seca, esturricada – de tanta dor, violência e falta de amor. Foram longos meses esperando-te, mas você nunca apareceu. Sempre os mesmo sons, tiros, gritos e as usinas vivas funcionando sem parar. Algumas vezes eu ouvia um helicóptero passando, e me perguntava quem seriam, e por que não faziam algo? Eu me perguntei tantas vezes onde estava Deus, que não queria-nos mais. Que nos abandonou ou esqueceu ou simplesmente cansou-se. Talvez sejamos apenas um velho brinquedo de Deus esquecido...
O que eu podia fazer em meu mutismo, eu nem mais sabia como viver, pois que todos os homens pareciam ter enlouquecido e que eu também era um homem, me perguntava quando eu perderia minha humanidade, quando que por água e comida eu teria que matar. Também me perguntava o que teria acontecido com você, você fugiu ou morreu? Isso eu nunca soube, mas aquele dia, chegou, e eu encharquei-me de sangue, por um punhado de farinha e uma lata de soda. E eu nem sentia mais. Todo aquele sangue, não significava mais nada. Naquele dia eu percebi que eu mataria outros, muitos, quantos fossem necessários para continuar a viver. Porém pensava: tudo isso para quê? Viver assim, só, entocado? Como uma fera pronta para matar e fugir. Você nunca voltou. Hoje, pensando bem, você já tinha partido muito antes de sumir, estávamos juntos separados – mudos, compreendi que mesmo antes da guerra matávamos. Matávamos por nossa capacidade de ficarmos parados, integrados naquele jogo perigoso. Antes de tudo explodir, você lembra como pulávamos mendigos, como desviávamos das pessoas? Tudo já havia se perdido muito antes.
Pois bem, ontem cansei de te esperar, e decidi partir- arrumei a pouca água e comida que me restam, e procurei aquela velha bússola que eu tinha desde criança – a coloquei no bolso, e resolvi ir para o sul, esperando encontrar gelo, água e paz. Mas agora que junto minhas facas e o que sinto somente é uma secura estranha no peito e uma vontade de chorar. Por que sei que me perdi, sei que te perdi. Nós nos perdemos. Eles, todos eles, ganharam. Talvez eu nunca chegue lá. Mas eu tenho que ir. Desculpe-me. Se ficar mais morro, de fome, de dor ou de sede. Talvez você tenha se unido a uma destas gangues que andam quebrando tudo por aí. Talvez você tenha sido esperto, e já que talvez eu nem significava tanto assim, você escolheu viver. Mesmo no meio do lixo, da morte e da violência. Espero que não. Espero apenas que estejas morto. Pois saiba, que hoje se me encontrar no meio dos escombros que restam desta cidade-covil, eu estarei pronto a mirar-te no meio da testa – um pedaço de aço puro. Sem lembrar-me o que fui, o que eras e o que fomos.

quinta-feira, 4 de dezembro de 2008


"Todo mundo então era pérfido, mentiroso e falso? E lágrimas lhe vieram aos olhos, pois choramos sempre a morte das nossas ilusões com a mesma mágoa com que choramos os nossos mortos."


Guy de Maupassant in: Uma vida


Tradução: Augusto Patrini

terça-feira, 2 de dezembro de 2008



"-¿Dices que el gobierno nos ayudará, profesor? ¿Tú conoces al gobierno?
-Les dije que sí
-También nosotros lo conocemos. Da esa casualidad. De lo que no sabemos nada es de la madre del gobierno.
-Yo les dije que era la Patria. Ellos movieron la cabeza diciendo que no. Y se rieron. Fue la única vez que he visto reir a la gente de Luvina. Pelaron sus dientes molenques y me dijeron que no, que el gobierno no tenía madre".


"Los muertos pesan más que los vivos; lo aplastan a uno"


"Me gusta matar matones, créame usted. No es la costumbre; pero se ha de sentir sabroso ayudarle a Dios a acabar con esos hijos del mal."


"Yo le doy gracias a Dios, porque si acaba con todas mis facultades, ya no pierdo mucho, ya que casi no me queda ninguna."


"Su desventura fue la de haber nacido."


"El tiempo es más pesado que la más pesada carga que puede soportar el hombre."


"Todos ustedes saben que nomás con que se presente el gobernador, con tal de que la gente lo mire, todo se queda arreglado. La cuestión está en que al menos venga a ver lo que sucede, y no que se esté, allá metido en su casa, nomás dando órdenes. En viniendo él, todo se arregla, y la gente, aunque se le haya caído la casa encima, queda muy contento con haberlo conocido."


Juan Rulfo in: El llano en llamas (1953)

sábado, 29 de novembro de 2008

James Graham Ballard



I would sum up my fear about the future in one word: boring. And that's my one fear: that everything has happened; nothing exciting or new or interesting is ever going to happen again ... the future is just going to be a vast, conforming suburb of the soul. interview (10/30/82) in Re/Search no. 8/9 (1984)


All over the world major museums have bowed to the influence of Disney and become theme parks in their own right. The past, whether Renaissance Italy or ancient Egypt, is reassimilated and homogenized into its most digestible form. Desperate for the new, but disappointed with anything but the familiar, we recolonise past and future. The same trend can be seen in personal relationships, in the way people are expected to package themselves, their emotions and sexuality in attractive and instantly appealing forms. notes to The Atrocity Exhibition (written 1967-69, annotated 1990



J. G. Ballard

quinta-feira, 27 de novembro de 2008


"Livrem-se das velhas categorias do negativo (a lei, o limite, as castrações, a falta, a lacuna) que por tanto tempo o pensamento ocidental considerou sagradas, como forma de poder e modo de acesso à realidade. Prefiram o que é positivo e múltiplo, a diferença à uniformidade, os fluxos às unidades, os agenciamentos móveis aos sistemas."
Michel Foucault

quarta-feira, 26 de novembro de 2008

estrela esquizofrênica

Por Augusto Darien Breytenbach Bazárov
Ou Augusto Patrini

apatrini@terra.com.br

"Se tu nos espetas não sangramos? Se tu nos fazes cócegas não rimos? Se tu nos dás veneno não morremos? Se nos fazes mal, não devemos nos vingar?".
Shakespeare, O mercador de Veneza.



É era uma estrela multifacetada. Múltiplas vagas de ressentimento e dor, e aquele cheiro de erva doce e sémem. Esquecia-se sempre e nem sabia do que, mas que eram vários, sempre, intensos intuídos. Neozine, alprazolam, diazepan, rivotril, dormonid, pondera, certralina, valium, bromazepam, frisium, frontal, fluoxetina, paroxetina, prometax, buspirona, e claro, um pouco de algo e agorismo, por que achava que a propriedade privada não era necessariamente melhor ou pior que a coletiva, só não queria e nem gostava do Estado e das multinacionais, escolhendo-lhe, o que comer, o que fazer, com quem dormir ou pior como e por que e como viver e gozar. Contudo sabia, no fundo, trata-se de um poder difuso e sem centro, que fazia de nossa liberdade uma vigília. Não queria mais ser o que todos os anjos sem consciência são: “insetos espermáticos” e patéticos.
Pois bem que para ele bastava um ramo de flores rubras e sua intensidade louca escorrendo como um líquido espesso gosmentos e oleoso por entre as quadras das noites - sem estrelas mas com algum excremento fútil. Do cheiro não mais se lembrava, o que ficava sempre era aquele cheiro de erva-doce, de mel e de púrpura dor, e vícios e insanidades temporárias. Esses “Eus” já não eram unos, eram multifacetados, sofridos e blefavam, árduos e fortes nessa negritude funda e imunda da vida insignificante, cotidiana e tola dos insetos espermáticos. Bobos, sorrindo-se sempre e contradizendo-se múltiplos em várias formas de comportamento e sonho. É que sabia bem, uma cobra criada e venenosa podia ser fofa, terna e meiga. E como dizem “do bem” – expressão imbecil. Risos mornos e tenros, para depois partir, ferir e destroçar aquela carne toda branca e tenra. Tudo tem um fim, todos temos esse direito, nem que ao menos seja prometido, vislumbrado ou sugerido. Um final, uma finalidade, por que no fundo sabemos de nosso grande e majestoso finito, nossas inevitáveis sepulturas frias e toscas. Branco. Branco. Bom, mal, suspiros.
Cala-te.

segunda-feira, 24 de novembro de 2008

Perdoando Deus


Eu ia andando pela Avenida Copacabana e olhava distraída edifícios, nesga de mar, pessoas, sem pensar em nada. Ainda não percebera que na verdade não estava distraída, estava era de uma atenção sem esforço, estava sendo uma coisa muito rara: livre. Via tudo, e à toa. Pouco a pouco é que fui percebendo que estava percebendo as coisas. Minha liberdade então se intensificou um pouco mais, sem deixar de ser liberdade. Tive então um sentimento de que nunca ouvi falar. Por puro carinho, eu me senti a mãe de Deus, que era a Terra, o mundo. Por puro carinho mesmo, sem nenhuma prepotência ou glória, sem o menor senso de superioridade ou igualdade, eu era por carinho a mãe do que existe. Soube também que se tudo isso "fosse mesmo" o que eu sentia - e não possivelmente um equívoco de sentimento - que Deus sem nenhum orgulho e nenhuma pequenez se deixaria acarinhar, e sem nenhum compromisso comigo. Ser-Lhe-ia aceitável a intimidade com que eu fazia carinho. O sentimento era novo para mim, mas muito certo, e não ocorrera antes apenas porque não tinha podido ser. Sei que se ama ao que é Deus. Com amor grave, amor solene, respeito, medo e reverência. Mas nunca tinham me falado de carinho maternal por Ele. E assim como meu carinho por um filho não o reduz, até o alarga, assim ser mãe do mundo era o meu amor apenas livre. E foi quando quase pisei num enorme rato morto. Em menos de um segundo estava eu eriçada pelo terror de viver, em menos de um segundo estilhaçava-me toda em pânico, e controlava como podia o meu mais profundo grito. Quase correndo de medo, cega entre as pessoas, terminei no outro quarteirão encostada a um poste, cerrando violentamente os olhos, que não queriam mais ver. Mas a imagem colava-se às pálpebras: um grande rato ruivo, de cauda enorme, com os pés esmagados, e morto, quieto, ruivo. O meu medo desmesurado de ratos. Toda trêmula, consegui continuar a viver. Toda perplexa continuei a andar, com a boca infantilizada pela surpresa. Tentei cortar a conexão entre os dois fatos: o que eu sentira minutos antes e o rato. Mas era inútil. Pelo menos a contigüidade ligava-os. Os dois fatos tinham ilogicamente um nexo. Espantava-me que um rato tivesse sido o meu contraponto. E a revolta de súbito me tomou: então não podia eu me entregar desprevenida ao amor? De que estava Deus querendo me lembrar? Não sou pessoa que precise ser lembrada de que dentro de tudo há o sangue. Não só não esqueço o sangue de dentro como eu o admiro e o quero, sou demais o sangue para esquecer o sangue, e para mim a palavra espiritual não tem sentido, e nem a palavra terrena tem sentido. Não era preciso ter jogado na minha cara tão nua um rato. Não naquele instante. Bem poderia ter sido levado em conta o pavor que desde pequena me alucina e persegue, os ratos já riram de mim, no passado do mundo os ratos já me devoraram com pressa e raiva. Então era assim?, eu andando pelo mundo sem pedir nada, sem precisar de nada, amando de puro amor inocente, e Deus a me mostrar o seu rato? A grosseria de Deus me feria e insultava-me. Deus era bruto. Andando com o coração fechado, minha decepção era tão inconsolável como só em criança fui decepcionada. Continuei andando, procurava esquecer. Mas só me ocorria a vingança. Mas que vingança poderia eu contra um Deus Todo-Poderoso, contra um Deus que até com um rato esmagado poderia me esmagar? Minha vulnerabilidade de criatura só. Na minha vontade de vingança nem ao menos eu podia encará-Lo, pois eu não sabia onde é que Ele mais estava, qual seria a coisa onde Ele mais estava e que eu, olhando com raiva essa coisa, eu O visse? no rato? naquela janela? nas pedras do chão? Em mim é que Ele não estava mais. Em mim é que eu não O via mais. Então a vingança dos fracos me ocorreu: ah, é assim? pois então não guardarei segredo, e vou contar. Sei que é ignóbil ter entrado na intimidade de Alguém, e depois contar os segredos, mas vou contar - não conte, só por carinho não conte, guarde para você mesma as vergonhas Dele - mas vou contar, sim, vou espalhar isso que me aconteceu, dessa vez não vai ficar por isso mesmo, vou contar o que Ele fez, vou estragar a Sua reputação. ... mas quem sabe, foi porque o mundo também é rato, e eu tinha pensado que já estava pronta para o rato também. Porque eu me imaginava mais forte. Porque eu fazia do amor um cálculo matemático errado: pensava que, somando as compreensões, eu amava. Não sabia que, somando as incompreensões, é que se ama verdadeiramente. Porque eu, só por ter tido carinho, pensei que amar é fácil. É porque eu não quis o amor solene, sem compreender que a solenidade ritualiza a incompreensão e a transforma em oferenda. E é também porque sempre fui de brigar muito, meu modo é brigando. É porque sempre tento chegar pelo meu modo. É porque ainda não sei ceder. É porque no fundo eu quero amar o que eu amaria - e não o que é. É porque ainda não sou eu mesma, e então o castigo é amar um mundo que não é ele. É também porque eu me ofendo à toa. É porque talvez eu precise que me digam com brutalidade, pois sou muito teimosa. É porque sou muito possessiva e então me foi perguntado com alguma ironia se eu também queria o rato para mim. É porque só poderei ser mãe das coisas quando puder pegar um rato na mão. Sei que nunca poderei pegar num rato sem morrer de minha pior morte. Então, pois, que eu use o magnificat que entoa às cegas sobre o que não se sabe nem vê. E que eu use o formalismo que me afasta. Porque o formalismo não tem ferido a minha simplicidade, e sim o meu orgulho, pois é pelo orgulho de ter nascido que me sinto tão íntima do mundo, mas este mundo que eu ainda extraí de mim de um grito mudo. Porque o rato existe tanto quanto eu, e talvez nem eu nem o rato sejamos para ser vistos por nós mesmos, a distância nos iguala. Talvez eu tenha que aceitar antes de mais nada esta minha natureza que quer a morte de um rato. Talvez eu me ache delicada demais apenas porque não cometi os meus crimes. Só porque contive os meus crimes, eu me acho de amor inocente. Talvez eu não possa olhar o rato enquanto não olhar sem lividez esta minha alma que é apenas contida. Talvez eu tenha que chamar de "mundo" esse meu modo de ser um pouco de tudo. Como posso amar a grandeza do mundo se não posso amar o tamanho de minha natureza? Enquanto eu imaginar que "Deus" é bom só porque eu sou ruim, não estarei amando a nada: será apenas o meu modo de me acusar. Eu, que sem nem ao menos ter me percorrido toda, já escolhi amar o meu contrário, e ao meu contrário quero chamar de Deus. Eu, que jamais me habituarei a mim, estava querendo que o mundo não me escadalizasse. Porque eu, que de mim só consegui foi me submeter a mim mesma, pois sou tão mais inexorável do que eu, eu estava querendo me compensar de mim mesma com uma terra menos violenta que eu. Porque enquanto eu amar a um Deus só porque não me quero, serei um dado marcado, e o jogo de minha vida maior não se fará. Enquanto eu inventar Deus, Ele não existe.

Clarice Lispector in "Felicidade Clandestina" - Ed. Rocco - Rio de Janeiro, 1998

sexta-feira, 21 de novembro de 2008

Zo d'Axa


« Celui que rien n'enrôle et qu'une impulsive nature guide seule, le passionnel complexe, le hors-la-loi, le hors-d'école, l'isolé chercheur d'au-delà. » (Épigraphe de L'En dehors, 1891)


« Nous allons — individuels, sans la Foi qui sauve et qui aveugle. Nos dégoûts de la Société n'engendrent pas en nous d'immuables convictions. Nous nous battons pour la joie des batailles et sans rêve d'avenir meilleur. Que nous importent les lendemains qui seront dans des siècles ! Que nous importent les petits neveux ! C'est en dehors de toutes les lois, de toutes les règles, de toutes les théories — même anarchistes — c'est dès l'instant, dès tout de suite, que nous voulons nous laisser aller à nos pitiés, à nos emportements, à nos douceurs, à nos rages, à nos instincts — avec l'orgueil d'être nous-même. » (« Nous », L'En dehors, 1891)


« Vivre pour l'heure présente, hors le mirage des sociétés futures ; vivre et palper cette existence dans le plaisir hautain de la bataille sociale. C'est plus qu'un état d'esprit : c'est une manière d'être - et tout de suite. » (L'En dehors, 1892)


Zo d'Axa

quinta-feira, 20 de novembro de 2008

Foucault - a tradução por email !


« Il n'y a pas de relations de pouvoir sans constitution corrélative d'un champ de savoir, ni de savoir qui ne suppose et ne constitue en même temps des relations de pouvoir... Ces rapports de "pouvoir-savoir" ne sont donc pas à analyser à partir d'un sujet de connaissance qui serait libre ou non par rapport au système de pouvoir; mais il faut considérer au contraire que le sujet qui connaît, les objets, sont autant d'effets de ces implications fondamentales du pouvoir-savoir… » — Il faut défendre la société


« Le problème à la fois politique, éthique, social et philosophique qui se pose à nous aujourd'hui n'est pas d'essayer de libérer l'individu de l'État et de ses institutions, mais de nous libérer, nous, de l'État et du type d'individualisation qui s'y rattache. Il nous faut promouvoir de nouvelles formes de subjectivité. » — Le Sujet et le Pouvoir


Foucault

terça-feira, 18 de novembro de 2008

M. Dubois demanda une fois à Madame Nozière quel était le jour le plus funeste de l' histoire.Madame Nozière ne le savait pas.-c'est, lui dit M. Dubois, le jour de la bataille de Poitiers, quand, en 732, la science, l'art et la civilisation arabes reculèrent devant la barbarie franque.
Oeuvres IV, La vie en Fleur (1922), Anatole France, éd. Gallimard, 1994, p. 1118

segunda-feira, 17 de novembro de 2008

A História

"O que a história conta não passa do longo sonho, do pesadelo espesso e confuso da humanidade"
- Arthur Schopenhauer

"Quando falamos de história, temos o costume de nos refugiar no passado. É nele que se pensa encontrar o seu começo e o seu fim. Na realidade, é o inverso: a história começa hoje e continua amanhã"
- "Exaltação e Orgulho", de D.N. Marinotis

"A História é um romance que foi. O romance é a história que poderia ter sido.
Edmond de Goncourt e Jules de Goncourt, Diário apud SQUARISI, Dad (10 de setembro de 2006). "Dicas de português - Demagogogos e busca-pés...". Correio Braziliense, Caderno C, p. 4

"Quem domina o passado domina o futuro: quem domina o presente domina o passado."
- Fonte: George Orwell; livro "1984"

"[Os historiadores] são os memorialistas profissionais do que seus colegas-cidadãos desejam esquecer".
- Eric Hobsbawm in Era dos Extremos: o breve século XX: 1914-1991. São Paulo: Companhia das Letras, 1995. p. 107. ISBN 85-7164-468-3

"Houve outrora um funcionário chamado 'Lembrete'. O título na verdade era um eufemismo para cobrador de dívidas. A tarefa oficial era lembrar às pessoas o que elas gostariam de ter esquecido. Uma das mais importantes funções do historiador é ser um lembrete. “
Peter Burke. Variedades de história cultural; tradução de Alda Porto. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2000. p.89. ISBN 85-200-0517-9

"A história não é uma ciência, é uma arte. Nela só se logra êxito pela imaginação."
- Anatole France, O Jardim de Epicuro


"Escrever a história é um modo de livrar-se do passado."
- Johann Wolfgang von Goethe, Arte e Antiguidade"

domingo, 16 de novembro de 2008

Ива́н Серге́евич Турге́нев


Iván Turgueniev

“Todos os sentimentos podem conduzir ao amor e à paixão. Todos: o ódio, a compaixão, a indiferença, a veneração, a amizade, o medo e até mesmo o desprezo. Sim, todos os sentimentos... exceto um: a gratidão. A gratidão é uma dívida: todo o homem paga as suas dívidas... mas o amor não é dinheiro.”

Sem autenticidade, sem educação, sem liberdade no seu significado mais amplo - na relação consigo mesmo, com as próprias idéias pré-concebidas, até mesmo com o próprio povo e com a própria história - não se pode imaginar um artista verdadeiro; sem este ar não é possível respirar
Fonte: "A propósito de 'Pais e Filhos'"

“A arte de um povo é a sua alma viva, o seu pensamento, a sua língua no significado mais alto da palavra; quando atinge a sua expressão plena, torna-se patrimônio de toda a humanidade, quase mais do que a ciência, justamente porque a arte é a alma falante e pensante do homem, e a alma não morre, mas sobrevive à existência física do corpo e do povo “
Fonte: "Discurso para a inauguração, em Moscovo, do monumento a Pushkin"

"El tiempo vuela a veces como un pájaro, y a veces se arrastra como un caracol. Pero la mayor felicidad del hombre sobreviene cuando no se advierte si su paso es raudo o moroso."

sábado, 15 de novembro de 2008


“Há duas espécies de cidadãos: os ativos e os passivos. Governantes preferem os últimos; a democracia necessita dos primeiros”.
John Stuart Mill

Nietzsche em conta gotas


A minha felicidade:
"Desde que me cansei de procurar,aprendi a encontrar; Desde que o vento começou a soprar-me na face, velejo com todos os ventos."

(Gaia Ciência)




"Deus está morto. Viva Perigosamente. Qual o melhor remédio? - Vitória!".


"Há homens que já nascem póstumos."


"O Evangelho morreu na cruz."


"A diferença fundamental entre as duas religiões da decadência: o budismo não promete, mas assegura. O cristianismo promete tudo, mas não cumpre nada."



"Quando se coloca o centro de gravidade da vida não na vida mas no “além” - no nada -, tira-se da vida o seu centro de gravidade."



"Para ler o Novo Testamento é conveniente calçar luvas. Diante de tanta sujeira, tal atitude é necessária."



"O cristianismo foi, até o momento, a maior desgraça da humanidade, por ter desprezado o Corpo."



"A fé é querer ignorar tudo aquilo que é verdade."



"As convicções são cárceres."



"As convicções são inimigas mais perigosas da verdade do que as mentiras."



"Até os mais corajosos raramente têm a coragem para aquilo que realmente sabem."



"Aquilo que não me destrói fortalece-me"


"Sem música, a vida seria um erro."



"E aqueles que foram vistos dançando foram julgados insanos por aqueles que não podiam escutar a música."



"A moralidade é o instinto do rebanho no indivíduo."



"O idealista é incorrigível: se é expulso do seu céu, faz um ideal do seu inferno."



"Em qualquer lugar onde encontro uma criatura viva, encontro desejo de poder."



"Um político divide os seres humanos em duas classes: instrumentos e inimigos."



"Quanto mais me elevo, menor eu pareço aos olhos de quem não sabe voar."



"Se minhas loucuras tivessem explicaçoes, não seriam loucuras."



"O Homem evolui dos macacos? é existem macacos!"



"Aquilo que se faz por amor está sempre além do bem e do mal."



"Há sempre alguma loucura no amor. Mas há sempre um pouco de razão na loucura."



"Torna-te quem tu és!"



"O padre está mentindo."





"Deus está morto mas o seu cadáver permanece insepulto"

sexta-feira, 14 de novembro de 2008


"Se tu nos espetas não sangramos? Se tu nos fazes cócegas não rimos? Se tu nos dás veneno não morremos? Se nos fazes mal, não devemos nos vingar?".
Shakespeare, O mercador de Veneza.

quinta-feira, 13 de novembro de 2008

Il m'arrive d'éprouver une sorte de stupeur à l'idée qu'il ait pu exister des "fous de Dieu", qui lui ont tout sacrifié, à commencer par leur raison. Souvent il me semble entrevoir comment on peut se détruire pour lui dans un élan morbide, dans une désagrégation de l'âme et du corps. D'où l'aspiration immatérielle à la mort. Il y a quelque chose de pourri dans l'idée de Dieu!- Des larmes et des saints, Cioran

terça-feira, 11 de novembro de 2008

"Tendemos a la muerte como la flecha al blanco, y no fallamos jamás, la muerte es nuestra única certeza y siempre sabemos que vamos a morir, no importa cuándo y no importa dónde, no importa la manera. Pues la vida eterna es un sinsentido, la eternidad no es la vida, la muerte es el reposo al que aspiramos, vida y muerte están ligadas, aquellos que demandan otra cosa piden lo imposible y no obtendrán más que humo como recompensa. Nosotros, que no nos contentamos con palabras, consentimos en desaparecer y aprobamos nuestro consentir, no elegimos nacer y nos consideramos afortunados de no sobrevivir en ninguna parte a esta vida, que nos fue impuesta más que dada, vida llena de preocupaciones y de dolores, de alegrías problemáticas o malas. Que un hombre sea feliz, ¿qué demuestra? La felicidad es un caso particular y nosotros observamos sólo las leyes del género, razonamos a partir de ellas, sobre ellas meditamos y profundizamos, despreciamos a quienquiera que busque el milagro y no estamos ávidos de beatitudes, nuestra evidencia nos basta y nuestra superioridad no se encuentra en otra parte."

Breviario del caos, Albert Caraco

“Delante de una sola persona podemos saber si es masa o no. Masa es todo aquel que no se valora a sí mismo- en bien o en mal- por razones especiales, sino que se siente “como todo el mundo”, y, sin embargo, no se angustia, se siente a salvo al saberse idéntico a los demás.”

"El alma vulgar, sabiéndose vulgar, tiene el denuedo de afirmar el derecho a la vulgaridad y lo impone donde quiera".

José Ortega y Gasset, La rebelión de las masas (1930)

segunda-feira, 10 de novembro de 2008



« If a man does not keep pace with his companions, perhaps it is because he hears the beat of a different drummer. »


« Si un homme ne suit pas le rythme de ses compagnons, peut-être est-ce parce qu'il entend le son d'un autre tambour. »


“Se um homem não segue o ritmo dos seus companheiros, quiçá seja por que ele ouve o som de um outro tambor.”


Walden, de Henry David Thoreau


Tradução: Augusto Patrini

domingo, 9 de novembro de 2008



“La vie, sans la dignité de l'intelligence, ne vaut pas d'être vécue.”

“A vida, sem a dignidade da inteligência, não vale a pena ser vivida.”
[1]
(Louis Riel)



Tradução: Augusto Patrini


[1] Final Statement of Louis Riel at his trial in Regina, 1885. Louis Riel Trial Homepage. University of Missouri Kansas City School of Law. Página visitada em 24-09-2007.

quinta-feira, 6 de novembro de 2008

Los Siete Locos

de ROBERTO ARLT


Los siete locos
[1]


El discurso del astrólogo



[...El Astrólogo] Dijo:
­ Sí, llegará un momento en que la humanidad escéptica, enloquecida por los placeres, blasfema de impotencia, se pondrá tan furiosa que será necesario matarla como a un perro rabioso...
­ ¿Qué es lo que dice?...
­ Será la poda del árbol humano... una vendimia que sólo ellos, los millonarios, con la ciencia a su servicio, podrán realizar. Los dioses, asqueados de la realidad, perdida toda ilusión en la ciencia como factor de felicidad, rodeados de esclavos tigres, provocarán cataclismos espantosos, distribuirán las pestes fulminantes... Durante algunos decenios el trabajo de los superhombres y de sus servidores se concretará a destruir al hombre de mil formas, hasta agotar el mundo casi... y sólo un resto, un pequeño resto, será aislado en algún islote, sobre el que se asentarán las bases de una nueva sociedad.
Barsut se había puesto en pie. Con el entrecejo fiero, y las manos metidas en los bolsillos del pantalón, se encogió de hombros, preguntando:
­ Pero, ¿es posible que usted crea en la realidad de esos disparates?
­ No, no son disparates, porque yo los cometería aunque fuera para divertirme.
Y continuó:
­ Desdichados hay que creerán en ellos... y eso es suficiente... Pero he aquí mi idea: esa sociedad se compondrá de dos castas, en las que habrá un intervalo... mejor dicho una diferencia intelectual de treinta siglos. La mayoría vivirá mantenida escrupulosamente en la más absoluta ignorancia, circundada de milagros apócrifos, y por lo tanto mucho más interesantes que los milagros históricos, y la minoría será la depositaria absoluta de la ciencia y del poder. De esa forma queda garantizada la felicidad de la mayoría, pues el hombre de esta casta tendrá relacion con un mundo divino, en el cual hoy no cree. La minoría administrará los placeres y los milagros para el rebaño, y la edad de oro, edad en la que los ángeles merodeaban por los caminos del crepúsculo y los dioses se dejaron ver en los claros de luna, será un hecho.

[...]

­ ¿Y la idea?
­ Aquí llegamos... Mi idea es organizar una sociedad secreta, que no tan sólo propague mis ideas, si no que sea una escuela de futuros reyes de hombres. Ya sé que usted me dirá que han existido numerosas sociedades secretas... y eso es cierto... todas desaparecieron porque carecían de bases sólidas, es decir, que se apoyaban en un sentimiento o en una irrealidad política o religiosa, con exclusión de toda realidad inmediata. En cambio, nuestra sociedad se basará en un principio más sólido y moderno: el industrialismo, es decir, que la logia tendrá un elemento de fantasía, si así se quiere llamar a todo lo que le he dicho, y otro elemento positivo: la industria, que dará como consecuencia el oro.
El tono de su voz se hizo más bronco. Una ráfaga de ferocidad ponía cierta desviación de astigmatismo en su mirada. Movió la greñuda cabeza a diestra y siniestra, como si le punzara el cerebro la agudeza de una emoción extraordinaria, apoyó las manos en los riñones y renaudando el ir y venir, repitió:
­ ¡Ah! el oro... el oro... ¿Sabe cómo lo llamaban los antiguos germanos al oro? El oro rojo... El oro... ¿Se da cuenta usted? No abra la boca, Satanás. Dése cuenta, jamás, jamás ninguna sociedad secreta trató de efectuar semejante amalgama. El dinero será la soldadura y el lastre que concederá a las idea el peso y la violencia necesarios para arrastrar a los hombres. Nos dirigiremos en especial a las juventudes, porque son más estúpidas y entusiastas. Les prometeremos el imperio del mundo y del amor... Les prometeremos todo... ¿me comprende usted?... Y les daremos uniformes vistosos, túnicas esplendentes... capacetes con plumajes de variados colores... pedrerías... grados de iniciación con nombres hermosos y jerarquías... Y allá en la montaña levantaremos el templo de cartón... Eso será para imprimir una cinta... No, cuando hayamos triunfado levantaremos el templo de las siete puertas de oro... Tendrá columnas de mármol rosado y los caminos para llegar a él estarán enarenados con granos de cobre. En torno construiremos jardines... y allá irá la humanidad a adorar el dios vivo que hemos inventado.
­ Pero el dinero para hacer todo eso... los millones...
A medida que el Astrólogo hablaba, el entusiasmo de éste se contagiaba a Erdosain. Se había olvidado de Barsut, aunque éste se encontraba frente a él. Sin poderlo evitar, evocaba una tierra de posible renovación. La humanidad viviría en perpetua fiesta de simplicidad, ramilletes de estroncio tachonarían la noche de cascadas de estrellas rojas, un ángel de alas verdosas soslayaría la cresta de una nube, y bajo las botánicas arcadas de los bosques se deslizarían hombres y mujeres, envueltos en túnicas blancas, y limpio el corazón de la inmundicia que a él lo apestaba. Cerró los ojos, y el semblante de Elsa se deslizó por su memoria, mas no despertó ningún eco, porque la voz del Astrólogo llenaba la cochera con esta réplica salvaje:
­ ¿Así que le interesa de dónde sacaremos los millones? Es fácil. Organizaremos prostíbulos. El Rufián Melancólico será el Gran Patriarca Prostibulario... todos los miembros de la logia tendrán interés en las empresas... Explotaremos la usura... la mujer, el niño, el obrero, los campos y los locos. En la montaña... será en el Campo Chileno... colocaremos lavaderos de oro, la extracción de metales se efectuará por electricidad. Erdosain ya calculó una turbina de 500 caballos. Prepararemos el ácido nítrico reduciendo el nitrógeno de la atmósfera con el procedimiento del arco voltaico en torbellino y tendremos hierro, cobre y aluminio mediante las fuerzas hidroeléctricas. ¿Se da cuenta? Llevaremos engañados a los obreros, y a los que no quieran trabajar en las minas los mataremos a latigazos. ¿No sucede esto hoy en el Gran Chaco, en los yerbales y en las explotaciones de caucho, café y estaño? Cercaremos nuestras posesiones de cables electrizados y compraremos con una pera de agua a todos los polizontes y comisarios del Sur. El caso es empezar. Ya ha llegado el Buscador de Oro. Encontró placeres en el campo chileno, vagando con una prostituta llamada la Máscara. Hay que empezar. Para la comedia del dios elegiremos un adolescente... Mejor será criar un niño de excepcional belleza, y se le educará para hacer el papel de dios. Hablaremos... se hablará de él por todas partes, pero con misterio, y la imaginación de la gente multiplicará su prestigio. ¿Se imagina usted lo que dirán los papanatas de Buenos Aires cuando se propague la murmuración de que allá en las montañas del Chubut, en un templo inaccsesible de oro y de mármol, habita un dios adolescente... un fantástico efebo que hace milagros?
­ ¡Sabe que sus disparates son interesantes!
­ ¿Disparates? ¿No se creyó en la existencia del plesiosaurio que descubrió un inglés borracho, el único habitante del Neuquén a quien la policía no deja usar revólver por su espantosa puntería?... ¿No creyó la gente de Buenos Aires en los poderes sobrenaturales de un charlatán brasileño que se comprometía curar milagrosamente la parálisis de Orfilia Rico? Aquél sí que era un espectáculo grotesco y sin pizca de imaginación. E innumerables badulaques lloraban a moco tendido cuando el embrollón enarboló el brazo de la enferma, que todavía está tullido, lo cual prueba que los hombres de ésta y de todas las generaciones tienen absoluta necesidad de creer en algo. Con la ayuda de algún periódico, créame, haremos milagros. Hay varios diarios que rabian por venderse o explotar un asunto sensacional. Y nosotros les daremos a todos los sedientos de maravillas un dios magnífico, adornado de relatos que podemos copiar de la Biblia... Una idea se me ocurre: anunciaremos que el mocito es el Mesías pronosticado por los judíos... Hay que pensarlo... Sacaremos fotografías del dios de la selva... Podemos imprimir una cinta cinematográfica con el templo de cartón en el fondo del bosque, el dios conversando con el espíritu de la Tierra.
­ Pero usted, ¿es un cínico o un loco?
Erdosain lo miró malhumorado a Barsut. ¿Era posible que fuera tan imbécil e insensible a la belleza que adornaba los proyectos del Astrólogo? Y pensó: "Esta mala bestia le envidia su magnífica locura al otro. Ésa es la verdad. No quedará otro remedio que matarlo."
­ Las dos cosas, y elegiremos un término medio entre Krishnamurti y Rodolfo Valentino, pero más místico; una criatura que tenga un rostro extraño simbolizando el sufrimiento del mundo. ¿Se imagina usted la impresión que causará al populacho el espectáculo del dios pálido resucitando a un muerto, el de los lavaderos de oro con un arcángel como Gabriel custodiando las barcas de metal y prostitutas deliciosamente ataviadas dispuestas a ser las esposas del primer desdichado que llegue? Van a sobrar solicitudes para ir a explotar la ciudad del Rey del Mundo y a gozar de los placeres del amor libre... De entre esa ralea elegiremos los más incultos... y allá abajo les doblaremos bien el espinazo a palos, haciéndolos trabajar veinte horas en los lavaderos.

[...]



[1] http://cvc.cervantes.es/actcult/arlt/la_obra/madrid2.htm

Albert Caraco


“Mas o que recomendar a estes bilhões de sonâmbulos, que andam para o caos em passos iguais, sob a tutela de seus sedutores espirituais e sob o bastão de seus mestres? Eles são culpados por que são inumeráveis, as massas da perdição devem morrer, para que a restauração do homem seja possível. Meu próximo não é um inseto cego e surdo, não é um autômato espermático. O que nos importa o nada destes escravos? Ninguém os salvará, nem eles mesmos, nem que evidentemente, tudo indique sua precipitação nas trevas, eles foram engendrados no acaso dos acasalamentos, depois nasceram como tijolos saindo de seus moinhos, e agora aí estão eles formando as fileiras paralelas as quais se elevam até o “cair das nuvens”. Serão eles homens? Não, a massa da perdição não é composta jamais por homens” (Breviário do Caos)

Albert Caraco

Tradução: Augusto Patrini



« Mais à quoi bon prêcher ces milliards de somnambules, qui marchent au chaos d’un pas égal, sous la houlette de leurs séducteurs spirituels et sous le bâton de leurs maîtres ? Ils sont coupables parce qu’ils sont innombrables, les masses de perdition doivent mourir, pour qu’une restauration de l’homme soit possible. Mon prochain n’est pas un insecte aveugle et sourd, n’est pas un automate spermatique. Que nous importe le néant de ces esclaves ? Nul ne les sauve ni d’eux-mêmes, ni de l’évidence, tout se dispose à les précipiter dans les ténèbres, ils furent engendrés au hasard des accouplements, puis naquirent à l’égal des briques sortant de leur moule, et les voici formant des rangées parallèles et dont les tas s’élèvent jusqu’aux nues. Sont-ce des hommes ? Non, la masse de perdition ne se compose jamais d’hommes » (Bréviaire du chaos)

terça-feira, 4 de novembro de 2008

A História por Jean Baudrillard II

“Isto sempre foi para mim, não um método, mais uma forma de antecipação: ir por antecipação ao fim do processo, para ver o que acontece além. Eu penso sempre que o que acontece ou poderia se passar além, é de fato aqui, em processo mesmo, e que o fim está já aqui, desde o começo. Tudo se desenvolve ao mesmo tempo. Os começos e os fins andam em paralelo. Isto transforma evidentemente um pouco de todo o campo das causas e efeitos, passa-se como que um pouco por cima disto!... Isto que dizer, eu não vejo nenhum meio, como Canetti parecia acreditar, de retornar ao ponto onde a distinção era possível entre o Bem e o Mal, o Verdadeiro e o Falso, etc. Dito de outra forma, o retorno às condições de um exercício racional e tradicional do pensamento. Minha visão é sem duvida mais catastrófica, mas não no sentido apocalíptico, mais no sentido de uma revolução ou de uma mutação das coisas. E esta mutação se deve a uma aceleração: tenta-se caminhar cada vez mais rápido, mesmo que de fato já se tenha chegado ao fim. Virtualmente! Mas já estamos lá mesmo assim.”

Tradução: Augusto Patrini

« Cela a toujours été pour moi, non une méthode, mais une forme d’anticipation : aller par anticipation au bout d'un processus, pour voir ce qui se passe au-delà. Je pense toujours que ce qui se passe, ou pourrait se passer au-delà, est en fait déjà là dans le processus même, et que la fin est déjà là, à partir du commencement. Tout se développe en même temps. Les commencements et les fins marchent en parallèle. Cela bouleverse évidemment un peu tout le champ des causes et des effets, on est passé un peu au-delà!... Cela dit, je ne vois aucun moyen, comme Canetti semblait le croire, de revenir au point où la distinction était possible entre le Bien et le Mal, le Vrai et le Faux, etc. Autrement dit, de revenir aux conditions d'un exercice rationnel et traditionnel de la pensée. Ma vision est sans doute plus catastrophique, mais pas au sens apocalyptique, plutôt d'une révolution ou d'une mutation des choses. Et cette mutation est due à une accélération : on essaie d'aller de plus en plus vite, si bien qu'en fait on est déjà arrivé à la fin. Virtuellement ! Mais on y est quand même. »
[1]



“De fato, isto renviava para mim [a problemática da antologia, da história assombrada por sua disparição, etc] ao problema mais geral da realidade, entendendo-se que a realidade não é nada mais que um princípio. O “Princípio de realidade”, a realidade objetiva e o processo de reconhecimento que ela exige, desapareceram de alguma forma... Neste momento preciso, a realidade liberada de seu principio torna-se um desenvolvimento exponencial, integral. Tem-se então que construir uma realidade onde tudo é operacional, ou onde nada mais resta fora de seu campo. Se tudo se realiza ou se completa, é sobretudo, baseado no desaparecimento da “essência”, do “transcendente” ou do “princípio” da realidade. Esta base espectral nos leva, de uma certa forma, ao virtual, e a todos estes mundo onde reina a virtualidade”

Tradução: Augusto Patrini

« En fait, cela renvoyait pour moi [la problématique de la hantologie, de l'histoire hantée par sa disparition, etc.] au problème très général de la réalité, attendu que la réalité n'est rien d'autre qu'un principe. Le « Principe de réalité », la réalité objective et le processus de reconnaissance qu'elle appelle, disparaissent en quelque sorte… À ce moment précis, la réalité délivrée de son principe devient, dans un développement exponentiel, intégrale. On a alors à faire à une réalité où tout est opérationnalité, ou plus rien ne reste hors champ. Si tout se réalise ou s'accomplit, c'est d'abord sur la base de la disparition de l' « essence », de la « transcendance » ou du « principe » de la réalité. Cette base spectrale nous mène, d'une certaine façon, au virtuel, et à tous ces mondes où règne la virtualité. »
[2]




“Estas historias assim são uma forma de “reparação”. Se eu quero analisar o terrorismo, eu não vou fazê-lo em função do discurso islâmico. É uma forma de exorcizar as coisas em vez de reenviá-las a uma religião, a uma ideologia, a uma convicção. Se eu observo o terrorismo, é o ato terrorista enquanto que fratura de uma potência mundial. Isto pode vir não importa de onde, e que existam convicções religiosas por trás não interessa. O ressurgimento dos discursos étnicos, religiosos, lingüísticos mostra que alguma coisa se convulsiona, se cristaliza contra a hegemonia, contra o “Império”, contra este pensamento único, esta potência única. Alguns o chamam de choque entre culturas, um choque de ideologias... Mas isto é insolúvel. Tomar partido contra ou a favor, não me interessa. Aquilo que eu procuro ver, é o antagonismo verdadeiro. Ora, o antagonismo se manifesta de um modo simbólico, é então toda uma outra coisa: trata-se de introduzir a morte em um sistema que procura exclui-la que se acredita “zero em morte”, e em que o poder repousa nessa exclusão. A morte desaparece do sitema e o poder do Império repousa sobre essa espécie de “Não-morte”, de “não-fato”. É então que singularidades surgem, mas diferentes do discursos que elas sustentam. Eu não posso julgar a retórica islâmica, eu não consigo... É necessário tentar ver aquilo que está no ato, além da ideologia dos atores.”

Tradução: Augusto Patrini


« Ces histoires-là c'est du « rhabillage ». Si je veux analyser le terrorisme, je ne vais pas le faire en fonction du discours islamiste. C'est une façon d'exorciser les choses que de les renvoyer à une religion, à une idéologie, à une conviction. Si j'observe le terrorisme, c'est l'acte terroriste en tant que fracture d'une puissance mondiale. Cela peut venir de n'importe où, et qu'il y ait des convictions religieuses derrière ne m'intéresse pas. La résurgence des discours ethniques, religieux, linguistiques montre que quelque chose se crispe, se cristallise contre l'hégémonie, contre « l'empire », contre cette pensée unique, cette puissance unique. D'aucuns l'appellent un choc de cultures, un choc d'idéologies. Mais c'est insoluble. Prendre parti pour ou contre ne m'intéresse pas. Ce que je cherche à voir, c'est l'antagonisme véritable. Or, l'antagonisme se manifeste sur un mode symbolique, c'est donc tout autre chose : il s'agit de la mise en jeu de la mort dans un système qui cherche à exclure, qui se veut « zéro mort », et dont la puissance repose sur cette exclusion. La mort disparaît du système et le pouvoir de l'Empire repose sur cette espèce de non-mort, de non-événement. Alors des singularités surgissent, mais différentes du discours qu'elles tiennent. Je ne peux pas juger de la rhétorique islamiste, je n'y rentre pas... Il faut essayer de voir ce qu'il en est de l'acte en dehors de l'idéologie des acteurs. »
[3]





[1] Entretien dans Le Philosophoire, op.cit., p.7
[2] Ibid., p.9
[3] Entretien in Le Philosophoire, pp.10-11

segunda-feira, 3 de novembro de 2008

A História por Jean Baudrillard



“Passava-se da história transcendeste, à grande História, para uma espécie de contra-história. Descia-se em direção ao anódino e a banalidade que se tornavam objetos dignos de interesse na área histórica. (...) Já se tinha descido a História, dos grandes movimentos sociais e históricos. E finalmente, sob estes ares pouco benignos, este mergulho na vida cotidiana, mesmo se eu não gosto muito deste termo que é um pouco redutor, era assim mesmo uma espécie de revolução. De fato, mais que uma involução relacionada à história, descia-se da transcendência da História para uma espécie de imersão na vida cotidiana, e por meio de todas as coisas, tais como a sexualidade, que tínhamos amplamente esquecido no idealismo histórico.”


Tradução: Augusto Patrini


« On passait de l'histoire transcendante, la grande Histoire, à une sorte de contre-histoire. On descendait vers l'anodin et la banalité qui devenaient des objets dignes d'intérêt sur le plan historique (…) On était déjà redescendu de l'Histoire, des grands mouvements sociaux et historiques. Et finalement, sous ses airs un peu bénins, cette plongée dans la vie quotidienne, même si je n'aime pas beaucoup ce terme qui est un peu réducteur, c'était quand même une espèce de révolution. En fait, plutôt une involution par rapport à l'Histoire. On descendait de la transcendance de l'Histoire dans une espèce d'immanence de la vie quotidienne, et à travers elles toutes ces choses telles que la sexualité qu'on avait largement oubliées dans l'idéalisme historique. »[1]



[1] Entretien avec Jean Baudrillard réalisé par Raphaël Bessis et Lucas Degryse, publié dans la revue Le Philosophoire (Université de Toulouse-Le Mirail - Le Philosophoire), n°19 consacré à l'histoire, pp.4-21

sábado, 1 de novembro de 2008

Viver verdadeiramente é recusar os outros; para aceitá-los, é preciso saber renunciar, violentar-se, agir contra sua própria natureza, enfraquecer-se; só se concebe a liberdade para si mesmo: ao próximo só a concedemos a duras penas; daí a precariedade do liberalismo, desafio a nossos instintos, êxito breve e miraculoso, estado de exceção oposto a nossos imperativos profundos... Função de um ardor extinto, de um desequilíbrio, não por excesso, mas por falta de energia, a tolerância não pode seduzir os jovens... Dê aos jovens a esperança ou a ocasião de um massacre e eles lhe seguirão cegamente.- História e Utopia

O burguês não crê em nada, é um fato; mas é esse, se pode-se dizer, o lado positivo de seu vazio, já que a liberdade só pode manifestar-se no vazio de crenças, na ausência de axiomas, e só aí onde as leis não têm mais autoridade que uma hipótese. Se me dissessem que o burguês crê, entretanto, em algo, pois o dinheiro desempenha para ele a função de um dogma, eu replicaria que esse dogma, o mais terrível de todos, é, por estranho que pareça, o mais suportável para o espírito. Perdoamos aos outros suas riquezas se, em troca, nos deixam a liberdade de poder morrer de fome a nosso modo.- História e Utopia

No curso dos tempos, a liberdade ocupa tantos instantes quanto o êxtase na vida de um místico. Ela nos escapa no momento mesmo em que tentamos apreendê-la e formulá-la: ninguém pode desfrutar dela sem tremor. Desesperadamente mortal, desde que se instaura postula sua ausência de futuro e trabalha, com todas suas forças minadas, para sua negação e sua agonia. Não há algo de perverso em nosso amor por ela? - História e Utopia

Conhecer a nós mesmos é identificar o motivo sórdido de nossos gestos, o inconfessável inscrito em nossa substância, a soma de misérias patentes ou clandestinas das quais depende nossa eficácia. Tudo o que emana das zonas inferiores de nossa natureza está investido de força, tudo o que vem de baixo estimula: produzimos e rendemos mais por inveja e rapacidade do que por nobreza e desinteresse. - História e Utopia

O que é certo é que o princípio de expansão, imanente à nossa natureza, nos faz olhar os méritos dos outros como uma usurpação dos nossos, como uma contínua provocação. Se a glória nos é vedada, ou inacessível, acusamos aqueles que a alcançaram porque pensamos que a obtiveram nos roubando: ela nos cabia de direito, nos pertencia, e sem as maquinações desses usurpadores teria sido nossa. “Bem mais que a propriedade, é a glória que é um roubo”, ladainha do amargurado e, até certo ponto, de todos nós.- História e Utopia


A capacidade de desistir constitui o único critério do progresso espiritual: não é quando as coisas nos abandonam, mas quando nós as abandonamos que atingimos a nudez interior, esse extremo em que já não pertencemos mais nem ao mundo nem a nós mesmos, extremo no qual vitória significa demitir-se, renunciar com serenidade, sem remorsos e, sobretudo, sem melancolia; pois a melancolia, por discretas e etéreas que sejam suas aparências, implica ainda ressentimento; é um devaneio carregado de agrura, uma inveja disfarçada de languidez, um rancor vaporoso. - História e Utopia
Emil Cioran

quinta-feira, 30 de outubro de 2008

Herman Hesse



"Y sin embargo la burguesía vive, es poderosa y próspera. ¿Por qué? La solución es la siguiente: por los lobos esteparios. En efecto, la fuerza vital de la burguesía no descansa en modo alguno sobre las cualidades de sus miembros normales, sino sobre las de los extraordinariamente numerosos outsiders que puede contener aquélla, gracias a lo desdibujado y a la elasticidad de sus ideales. Viven siempre dentro de la burguesía una gran cantidad de temperamentos vigorosos y fieros. Nuestro lobo estepario, Harry, es un característico ejemplo. Él, que se ha individualizado mucho más allá de la medida posible de un hombre burgués, que conoce las delicias de la meditación, igual que las tenebrosas alegrías del odio a todo y a sí mismo, que desprecia la ley, la virtud y el common sense, es un adepto forzoso a la burguesía y no puede sustraerse de ella. Y así acampan en torno de la masa burguesa, verdadera y auténtica, grandes sectores de la humanidad, muchos millares de vidas y de inteligencias, cada una de las cuales, aunque se se sale del marco de la burguesía y estaría llamada a una vida de la incodicionalidad, es, sin embargo, atraída por sentimientos infantiles hacia las normas burguesas y contagiada un tanto de su debilitación en la intensidad vital, se aferra de cierta manera a la burguesía, quedando de algún modo sujeta, sometida y obligada a ella. Pues a és-ta le cuadra, a la inversa del principio de los poderosos: "Quien no está contra mí, está conmigo". (...) La gran mayoría de los intelectuales, la mayor parte de los artistas pertenecen a este tipo. ünicamente los más vigorosos de ellos traspasan la atmósfera de la tierra burguesa y llegan al cosas; todos los demás se designan o transigen, desprecian a la burguesía y sin embargo pertenecen a ella, la robustecen y glorifican, al tener que acabar por afirmarla para poder seguir viviendo".

Herman Hesse